Morbidade hospitalar e mortalidade por Doença de Parkinson no Brasil de 2008 a 2020

Autores

  • Paula Renata Olegini Vasconcellos Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) https://orcid.org/0000-0003-0984-1458
  • Maria Lucia Frizon Rizzotto Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
  • Marcelo Taglietti Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) https://orcid.org/0000-0003-3650-3905

Palavras-chave:

Doença de Parkinson. Hospitalização. Mortalidade. Indicadores de morbimortalidade. Brasil.

Resumo

A Doença de Parkinson é irreversível e afeta o sistema nervoso central. Como a doença acomete principalmente idosos, é fundamental a atenção e estratégias para prevenção e cuidados para as pessoas vulneráveis à doença, através da exposição de dados que demonstrem a situação. O objetivo foi analisar a morbimortalidade da doença e a distribuição por estados e regiões do Brasil de 2008 a 2020. Trata-se de estudo epidemiológico, retrospectivo, utilizando-se o banco de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Encontrou-se uma média de internações de 875±166 por ano, com queda em 2020. A faixa etária mais acometida foi entre 60 e 79 anos, em homens, mas observou-se aumento dos casos em pessoas mais jovens. A mortalidade encontrada foi de 3333±759 ao ano, com crescimento da curva ao longo do tempo estatisticamente significativa e maiores taxas no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Pode-se concluir que tanto as taxas de internamento quanto de mortalidade tiveram predomínio nos idosos e no sexo masculino, sendo a região Sul com maior taxa de mortalidade.

Publicado

2023-05-28

Como Citar

1.
Vasconcellos PRO, Rizzotto MLF, Taglietti M. Morbidade hospitalar e mortalidade por Doença de Parkinson no Brasil de 2008 a 2020. Saúde debate [Internet]. 28º de maio de 2023 [citado 25º de julho de 2024];47(137 abr-jun):196-20. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/7971

Edição

Seção

Artigo Original