Economia solidária e saúde mental: relato de experiência de práticas virtuais

Autores

Palavras-chave:

Saúde mental. Desinstitucionalização. Autonomia. Inclusão social.

Resumo

A conexão entre saúde mental e trabalho possui uma extensa trajetória, em muitos momentos implicando  opressão e cerceamento da liberdade. Buscando um  novo lugar do trabalho para usuários da Rede de  Atenção Psicossocial (Raps), a economia solidária vem se destacando enquanto possibilidade múltipla no  combate ao estigma, enfatizando a autonomia e a  emancipação das pessoas por meio da solidariedade  e do cooperativismo. Dessa forma, o presente artigo  visa trazer um relato de experiência interprofissional  sobre o projeto de extensão universitária de  economia solidária e saúde mental. Trata-se de um  trabalho descritivo, desenvolvido com base na  observação participante e analisado à luz de Mikhail Bakhtin e Paulo Freire. Conclui-se que o presente  projeto é de suma importância na construção de  saberes múltiplos, visto que contempla profissionais  das artes plásticas e cênicas, saúde e artesãos. Sendo  assim, a prática formativa de diversos atores favorece  um fazer potente por meio da arte, cultura e trabalho  para uma gestão que objetiva a inclusão social, a  reflexão crítica e a autonomia no campo da saúde  mental.

Publicado

2023-06-01

Como Citar

1.
Santos C, Portugal C, Nunes M. Economia solidária e saúde mental: relato de experiência de práticas virtuais. Saúde debate [Internet]. 1º de junho de 2023 [citado 25º de julho de 2024];46(especial 6 dez):251-60. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/6972