Redes sociais de apoio às pessoas trans: ampliando a produção de cuidado

Autores

Palavras-chave:

Transexualidade. Saúde trans. Itinerário terapêutico. Redes sociais.

Resumo

O direito à saúde de transexuais e travestis vem sendo conquistado por meio de intensa mobilização social,  resultando em políticas específicas para essa  população. Apesar disso, observa-se desassistência a esse grupo, levando-o a desenhar itinerários  terapêuticos fora da rede formal de atenção à saúde.  Objetivou-se apresentar e discutir os itinerários  terapêuticos construídos por pessoas trans em Niterói por meio de suas redes sociais. Para tanto, foi  realizada uma pesquisa qualitativa, de caráter  exploratório, cujo cenário foi o Ambulatório de  Atenção à Saúde da População Travesti e Transexual  João W. Nery em Niterói/RJ. Participaram da pesquisa  20 transexuais usuários/as do ambulatório,  moradores/as do município, que responderam à  entrevista semiestruturada. Foram feitas também  observações participantes. O tratamento dos dados  foi efetuado por meio da análise de conteúdo  temático-categorial. Evidenciou-se que as redes sociais ampliaram a capacidade de produção de  saúde, mobilizando e articulando relações familiares,  de amizade, religiosidades, movimento estudantil e  grupos universitários, além do movimento LGBTQIA+ no empoderamento e ressignificação dos projetos de  vida e da própria expressão da identidade trans. Sugere-se que os serviços de saúde precisam  conhecer e se articular às redes sociais para produzir  um cuidado em saúde pautado pelos paradigmas da  integralidade e dos direitos humanos.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

1.
Selles BRS, Almeida PF de, Ahmad AF, Lemos A, Ribeiro CR. Redes sociais de apoio às pessoas trans: ampliando a produção de cuidado. Saúde debate [Internet]. 1º de junho de 2023 [citado 21º de junho de 2024];46(especial 6 dez):148-61. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/6910