Repercussões no cotidiano de crianças e adolescentes que viveram com hanseníase

Autores

  • Michelle Christini Araújo Vieira Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) https://orcid.org/0000-0001-7771-5387
  • Maria da Glória Lima Cruz Teixeira Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Luís Augusto Vasconcelos da Silva Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Claudelí Mistura Universidade do Vale do Taquari (Univates) https://orcid.org/0000-0002-4445-7825
  • Sued Sheila Sarmento Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) https://orcid.org/0000-0002-2167-8318
  • Aline Araújo Mascarenhas Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)

Palavras-chave:

Hanseníase. Criança. Adolescente. Atividades cotidianas. Estigma social.

Resumo

O estudo apresenta como objetivo compreender as repercussões da doença na vida cotidiana de crianças  e adolescentes acometidos pela hanseníase. Trata-se  de uma pesquisa qualitativa com base no referencial  teórico ‘A Sociologia de Erving Goffman’. Foram  entrevistados, individualmente, 14 participantes,  sendo 9 crianças e 5 adolescentes tratados e curados  da hanseníase. Utilizou-se entrevista semiestruturada,  abrangendo informações sociodemográficas e  questões norteadoras sobre a vivência dos participantes com a doença, aspectos familiares,  sociais e percepções advindas da experiência. Os  dados foram analisados pela sociologia de Erving  Goffman. As narrativas enfatizam as repercussões do  cotidiano relacionados com a história da descoberta  da hanseníase, as redes de interação como família e  profissionais de saúde, dos cuidados com a própria  saúde, de estratégias de superação e expectativas.  Verificou-se que o elemento predominante da  pesquisa se ancora no temor de ser descoberto e  desacreditado, na perspectiva de ter sua identidade  de sadio ressignificada, pelo adoecimento e perante a vivência dos participantes com o preconceito, sigilo e  segredo. Conclui-se, de modo simbólico, que os  participantes vivenciaram uma construção de vida  social negativa em torno da hanseníase. O  adoecimento interfere de modo direto no cotidiano e  desenvolvimento dos participantes, repercutindo  principalmente nas relações sociais.

Publicado

2023-06-01

Como Citar

1.
Vieira MCA, Teixeira M da GLC, Silva LAV da, Mistura C, Sarmento SS, Mascarenhas AA. Repercussões no cotidiano de crianças e adolescentes que viveram com hanseníase. Saúde debate [Internet]. 1º de junho de 2023 [citado 4º de março de 2024];46(especial 6 dez):124-3. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/6808