Meu corpo, minhas regras: mulheres na luta pelo acesso ao serviço público de saúde para a realização do aborto seguro

Autores

Palavras-chave:

Aborto. Direitos humanos. Feminismo.

Resumo

Os direitos humanos são vinculados à luta pela dignidade humana, contexto em que os feminismos, movimentos sociais de luta pela superação das diferenças de gênero, raça e classe, devemse vincular às batalhas dos demais grupos oprimidos. OCódigo Penal criminaliza o aborto, excetuando quando a gravidez é oriunda de estupro, há risco de morte para a gestante ou em caso de gravidez de feto anencéfalo. Apesar da proibição, o aborto não deixa de ser realizado em todos os grupos sociais e raciais, níveis de escolaridade e religiões, consistindo um dos maiores problemas de saúde pública do país. A luta pelo direito de acesso ao aborto seguro se faz cotidianamente inclusive quando se trata do aborto legal, – que já é um direito reconhecido e positivado pelo Estado –, uma vez que, para além da insuficiência dos serviços de saúde que realizam o procedimento, não há adequada capacitação técnica, a objeção de consciência ocorre com frequência e estigmas e preconceitos rodeiam a questão, contaminando até a norma legal produzida por um Estado laico.

Publicado

2019-12-13

Como Citar

1.
Lopes SDN, Oliveira MHB de. Meu corpo, minhas regras: mulheres na luta pelo acesso ao serviço público de saúde para a realização do aborto seguro. Saúde debate [Internet]. 13º de dezembro de 2019 [citado 25º de abril de 2024];43(especial 4 dez):20-33. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/3093