O sistema de justiça biologizantemecanicista na hermenêutica poéticolinguísti

Autores

Palavras-chave:

Direitos humanos. Estado. Hermenêutica. Saúde.

Resumo

O presente texto analisa o sistema de justiça biologizante-mecanicista, assim entendido o hegemônico pela hermenêutica poético-linguística heideggeriana. Para tanto é utilizado o ensaio crítico, forma de pensamento de maior alcance que a dogmática de uma metodologia, como diz Adorno. De início apresenta-se a hermenêutica poético-linguística, que demonstra que em algumas ocasiões pensamentos sedimentados impedem a abertura de perspectivas para o reexame radical de uma questão. Não raras vezes, o pensamento ocidental encontra-se moldado pela perspectiva da metafísica-conceitual, que limita a investigação à localização de essências e à busca de categorias para satisfazer essa cosmologia. A seguir demonstra-se que sistema de justiça convencional é herança do medievo sem solução de continuidade em suas concepções até os dias de hoje em todas as suas formulações estruturantes. Na Modernidade é permeado por teses vitalistas e mecanicistas com pretensões a justificá-lo de um ponto de vista racional. Tais teses modernas, embora superadas pela ciência, continuam a constituir paradigma ativo do sistema de justiça contemporâneo. Assim vem sendo construído como um algoritmo, a restringir a atividade humana, criativa e caótica, a uma função maquinal. A repercussão para o processo saúde-doença é apreciável e deve ser investigada apropriadamente.

Publicado

2019-12-13

Como Citar

1.
Tredinnick AFA da C, Oliveira MHB de. O sistema de justiça biologizantemecanicista na hermenêutica poéticolinguísti. Saúde debate [Internet]. 13º de dezembro de 2019 [citado 24º de fevereiro de 2024];43(especial 4 dez):126-39. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/3004