Vigilância em Saúde regionalizada em Pernambuco: um estudo de caso

Autores

Palavras-chave:

Regionalização. Vigilância em saúde pública. Avaliação em saúde.

Resumo

O objetivo deste estudo foi o de avaliar a implantação da Vigilância em Saúde (VS) regionalizada em Pernambuco. Trata-se de um estudo avaliativo realizado nas etapas normativa e exploratória. A avaliação normativa utilizou abordagem quantitativa para as dimensões estrutura
e processo, medindo o grau de implantação da VS em quatro regiões de saúde de Pernambuco. A etapa exploratória consistiu na realização de entrevistas semiestruturadas com informantes-chave para apreender a percepção desses indivíduos acerca do processo de regionalização da VS em Pernambuco e dos fatores facilitadores e dificultadores desse processo. Nas regiões I, II e III, a VS foi classificada como ‘parcialmente implantada’ e na região IV, como ‘implantada’. A ‘estrutura’ foi classificada como ‘parcialmente implantada’ em todas as regiões, e o ‘processo’ foi classificado como ‘parcialmente implantado’ nas regiões I e III, e como ‘implantado’ nas regiões II e IV. Conclui-se que a regionalização da VS em Pernambuco ainda está incompleta apesar de ser um processo de grande relevância, uma vez que o nível regional pode planejar e promover estratégias mais adequadas para cada contexto, privilegiando as diferentes realidades dos municípios.

Biografia do Autor

Natália Barros Lopes, GEAS / IMIP

Enfermeira formada pela Fundação de Ensino Superior de Olinda - FUNESO, Pós graduada em Enfermagem do Trabalho pela Faculdade Joaquim Nabuco e Enfermagem em Urgência e Emergência pelo Grupo CEFAPP, e Mestre em Avaliação em Saúde pelo Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira -IMIP.

Downloads

Publicado

2022-05-29

Como Citar

1.
Lopes NB, de Albuquerque AC, Felisberto da Silva EC. Vigilância em Saúde regionalizada em Pernambuco: um estudo de caso. Saúde debate [Internet]. 29º de maio de 2022 [citado 12º de agosto de 2022];43(122 jul-set):712-26. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/1351