Criança diabética do tipo 1 e o convívio familiar: Repercussões no manejo da doença

Autores

  • Thais Schmidt Vitali Hermes Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Cláudia Silveira Viera Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Rosa Maria Rodrigues Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Luciana Mara Monti Fonseca Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Diabetes mellitus., Criança., Estudo de caso., Assistência integral à saúde.

Resumo

A pesquisa objetivou escrever a repercussão do convívio familiar da criança diabética no manejo da doença. Trata-se de um estudo qualitativo descritivo, tipo estudo de caso, com criança diabética em seguimento ambulatorial de um hospital universitário, por meio de grupo focal. Análise de dados por análise de conteúdo do tipo temática. Observou-se que Adriana (nome fictício), 11 anos, não adere às orientações e tratamentos propostos pela equipe de saúde, resultando em inadequado manejo do diabetes e altos índices glicêmicos, decorrente da relação desarmoniosa com a família e da carência de gestão dos serviços de saúde. Condições crônicas de saúde interferem no cotidiano familiar e dificultam o tratamento, especialmente de crianças. A Atenção Primária à Saúde deve utilizar ferramentas como a gestão de caso e o projeto terapêutico singular para que, em conjunto com a família e com a criança, possa obter melhor adesão ao tratamento.

Downloads

Publicado

2022-04-17

Como Citar

1.
Schmidt Vitali Hermes T, Silveira Viera C, Rodrigues RM, Gonçalves de Oliveira Toso BR, Monti Fonseca LM. Criança diabética do tipo 1 e o convívio familiar: Repercussões no manejo da doença. Saúde debate [Internet]. 17º de abril de 2022 [citado 8º de fevereiro de 2023];42(119 out-dez):927-39. Disponível em: https://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/1107

Edição

Seção

Artigo Original