Cuidados paliativos na atenção domiciliar para pacientes oncológicos no Brasil

  • Adriana Tavares de Moraes Atty Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Jeane Glaucia Tomazelli Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
Palavras-chave: Cuidados paliativos. Serviços de assistência domiciliar. Sistema de informação em saúde. Neoplasias.

Resumo

A organização de serviços de saúde deve considerar o cuidado integral do indivíduo com câncer, garantindo, quando necessário, os cuidados paliativos. O objetivo do trabalho foi descrever o perfil dos usuários oncológicos em cuidados paliativos na atenção domiciliar. Realizou-se estudo descritivo dos casos de câncer registrados na atenção domiciliar no período 2013-2015 no País. Somente os estados de Roraima, Sergipe e Espírito Santo não registraram casos. Entre os dez tipos de neoplasias mais recorrentes estavam as mais incidentes, entre homens, de próstata, e entre mulheres, de mama. Mas, na estratificação por faixa etária, observaram-se diferenças entre os tipos mais prevalentes de tumores. Em homens <40 anos, encéfalo foi o tipo mais recorrente, e entre os >60 anos, foi próstata. Nas mulheres, com exceção das <40 anos, o câncer de mama foi o mais recorrente. A descrição do perfil dos usuários com neoplasias malignas assistidos na atenção domiciliar permite conhecer melhor o fluxo desses usuários na rede, possibilitando o monitoramento da linha de cuidado.

Publicado
2018-03-31
Como Citar
Atty, A., & Tomazelli, J. (2018). Cuidados paliativos na atenção domiciliar para pacientes oncológicos no Brasil. Saúde Em Debate, 42(116), 225-236. Recuperado de http://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/807
Seção
Artigo Original