A prática baseada em evidência no contexto da Atenção Primária à Saúde

Palavras-chave: Prática clínica baseada em evidências. Atenção Primária à Saúde. Estratégia Saúde da Família.

Resumo

A prática baseada em evidência agrega o melhor conhecimento científico, com a experiência clínica do profissional e a escolha do paciente, resultando em uma maior resolutividade na assistência em saúde. O objetivo do estudo foi analisar a prática baseada em evidência dos profissionais das equipes com Estratégia Saúde da Família em um município de Santa Catarina. Trata-se de um estudo quantitativo, realizado por meio de questionários com 112 profissionais de saúde. Os resultados apontaram que eles consideram a prática baseada em evidência fundamental, contudo, em suas ações, ela está mais centrada na experiência clínica. Outrossim, não se sentem plenamente capacitados para realizar a busca de evidências científicas, destacando o pouco conhecimento e habilidades em pesquisa. Além disso, ressaltam a alta demanda de atendimentos, escasso domínio de língua estrangeira e falta de apoio da gestão como dificultadores. Conclui-se que os profissionais da atenção primária precisam se aprimorar para o desenvolvimento da prática baseada em evidência, sendo que isso ultrapassa a sua vontade individual, ficando também ao encargo das instituições formadoras e dos serviços de saúde.

Biografia do Autor

Rui Pedro Gomes Pereira, Universidade do Minho

Doutor em Ciências de Enfermagem (Universidade do Porto). Docente da Universidade do Minho, Braga, Portugal. Membro do Grupo EvidenZ & Cochrane Portugal.

Lucimare Ferraz, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Doutora em Saúde Coletiva (UNIFESP). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região do Chapecó. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Publicado
2018-10-31
Como Citar
1.
Schneider LR, Pereira RPG, Ferraz L. A prática baseada em evidência no contexto da Atenção Primária à Saúde. Saúde debate [Internet]. 31º de outubro de 2018 [citado 29º de outubro de 2020];42(118):594-05. Disponível em: http://revista.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/43
Seção
Artigo Original